Sentimento

Amor Recíproco

Meilleurs Souvenirs ☼

Dizem que a amizade é o amor que nunca morre. Desculpa sociedade, mas eu discordo. Não acho que podemos chamar qualquer um de amigo. Aposto que você já se decepcionou, machucou com alguém que jurava ser seu amigo(a). É horrível, é uma traição. Deixamos de confiar em nós mesmos e começamos a questionar se estamos escolhendo amizades certas.

E o que seriam amizades certas? Olha, pra mim, amizade é aquilo em que a pessoa não vai embora quando você passa por dificuldades, é quando você está acompanhada nos piores momentos. É quando a pessoa tem o coração bom, a mente tranquila, é feliz com ela mesma e com os outros.

Amizade de verdade é aquela em que o amor é recíproco. É depositar carinho em uma caixinha e receber de volta com carinho em dobro. É como a mágica – onde as surpresas e as emoções são sentidas juntas.

Aposto também que você já teve aquele amigo ou amiga invejoso(a). Você o considera amigo, ok. Mas é só as coisas começarem a dar certo na sua vida que ele já fica com ciúmes. Não digo que ciúmes é uma coisa ruim, até porque existem os ciúmes e as invejas boas. Mas digo aquele tipo de ciúme extremo, em que você percebe de longe. E tudo que é extremo, é ruim.

Abra os olhos e veja quem são seus amigos. As pessoas hoje em dia não ligam para sentimentos, elas ligam para status. Veja quem fica ou não feliz com as suas conquistas, veja quem chora com você e ri com você, e principalmente, veja quem não te abandona em momentos ruins.

E se você achar alguém assim, preserve e diga que a ama. Dê o amor que ela merece de volta, aliás dê em dobro. Tenha o coração puro. Um dia o universo fará questão de  retornar com todo amor do mundo.

– Isabela Prado

Anúncios

Hoje é Saudade – Crônicas na Agulha

Pessoal, está rolando no Senac Santo Amaro, SP (03 a 07 de novembro) – uma exposição relacionando crônicas e músicas. Minha sala que organizou o evento (Publicidade e Propaganda), e convido vocês pra irem conhecer. A página no facebook é: Crônicas na Agulha, curtam e compartilhe com seus amigos.

10414494_10153260104294942_4615449607431679561_n

Eu escrevi minha crônica baseada na música do Bruno Mars, When I was your man. E vocês podem conferir mais nove músicas e crônicas na exposição, vale a pena conhecer!

 

Hoje eu resolvi falar de você, da saudade e das lembranças que me acompanham nessa solidão. Eu só queria você aqui comigo, como nos velhos tempos. Eu amava o seu jeito sério e meio seco de ser, às vezes até me irritava, mas seu sorriso logo compensava. Eu amava o seu beijo, seu abraço, seu carinho e o seu cheiro. Eu só quero que você entenda que eu não gosto quando você vai embora. Não gosto quando você esconde o que sente. Não gosto quando você não me dá a menor bola. Eu só quero você aqui comigo, a qualquer momento.

O tempo passou, mas eu queria poder te falar tudo que sinto, e te dizer o quanto você é importante para mim. É impossível não pensar em você. Queria ser o suficiente, te arrancar sorrisos e suspiros, queria poder te fazer a mulher mais feliz desse mundo, olhar nos seus olhos e dizer o quanto eu te amo, mas é uma pena nossa história ter acabado assim.

Foi a pior sensação que já senti em minha vida. Ter que ir embora, quando tudo o que eu mais queria era ficar. Eu nunca precisei de ninguém pra me dizer o certo e o errado, apontar meus erros, eu nunca precisei de ninguém pra absolutamente nada, nem pra sorrir. Mas eu precisava de você.

Eu me cansei, e acordar sozinho se tornou uma rotina. Ser uma pessoa fria quando se trata de sentimentos não é mais uma opção, e sim sobrevivência. E eu não sei mais o que é felicidade, não sei a cor, o gosto ou o cheiro. Felicidade se torna uma palavra, apenas uma palavra. E aí está uma das coisas mais tristes da vida: Se conformar com a infelicidade. Eu sei que fui orgulhoso, e que o meu ego atrapalhou o nosso amor. Sei que eu estava errado, e hoje não posso desfazer toda a bagunça que causei. Então por que acreditar no amor quando tudo é dor, e decepção? Das mil coisas que eu deveria ter dito e nunca disse, só restou uma: é preciso seguir em frente.

Deixar alguém ir embora é fácil, difícil mesmo é você ter que ir, virar as costas e partir; você sempre tão complicada, e com uma capacidade para me fazer sorrir. Você era a melhor definição de pessoa que eu tinha em mente, você era sorrisos, olhares e beijos quentes. Você era, porque escolheu ser. Se você soubesse que eu te queria perto, bem perto de mim, talvez você não tivesse ido atrás de outro. E hoje estou aqui caminhando, tentando me reerguer com um sorriso no rosto, mas você sabe onde me encontrar, então me procura enquanto eu ainda quero ser encontrado por você.

 – Sthefani Monteiro

Amar as coisas mais simples

O dia tem quantas horas mesmo? Me parecem ter 10 horas ultimamente. O tempo tem ficado curto pra quantidade de coisas que temos na lista de afazeres. E em meio a toda correria que se torna os nossos dias, tendo tão pouco tempo pra fazer tanta coisa, a gente acaba deixando pra lá coisas realmente valiosas. Venho falar hoje sobre o nosso direito, e sim d-i-r-e-i-t-o de fazermos coisas que amamos, de sermos quem amamos ser.

Untitled | via Tumblr

Há quem ame ouvir música, há quem ame ler, ame escrever, há quem ame dormir, comer, filmes, shopping, pinturas, games. Infinidades de amores. E esse amor não tem que ser julgado por ninguém. E daí se sou louca por roupas, e por montar look, e por me arrumar, e por escrever sobre tudo isso aqui? E se eu não amo só isso? E se eu também amo escrever histórias, imaginar meu futuro, desenhar, assistir filmes inspiradores? Não precisamos amar somente uma coisa e ninguém pode criticar o que amamos.

O amor tem de ser leve e particular, sem dedos apontados ou alfinetadas indiscretas. Assumir suas paixões pode ser libertador. Criticar paixões alheias pode ser amargurador. Por isso vamos abrir nosso coração, achar um tempo, mesmo que mínimo, pra fazermos aquilo que amamos. Afinal são essas coisas que tornarão nossos dias mais leves, prazerosos e marcantes. Chega de ter sempre os mesmos dias cansativos e monótonos, cheio de reclamações e gostos amargos.

É hora de tornar a vida mais bonita, de colher histórias pra contarmos mais tarde. Não é importante se julgam banal essa paixão que você tem por desenhos animados, se assistir à esses desenhos te faz feliz feito criança então sente no sofá por 30 ou 60 minutos e assista. Não é importante se você vai parecer louca se fizer caretas nas fotos ou até sozinha no espelho, só pra você rir de si mesma, se isso te liberta e te anima o dia, então corra pro espelho. É simples, sem segredo nenhum. A gente precisa se amar mais. A gente precisa amar mais.

Sim ao direito de amar o que quiser. E por favor, sem julgamentos dos amores alheios. Cada coração sabe o que o faz querer pular de paraquedas. Só o seu coração é capaz de entender seus gostos e paixões. Liberte-se. O tempo é curto pra gente viver amarrado!

Sei lá. Ela nunca soube…

Pretty

Sei lá. Ela nunca soube o que escolher. Sempre foi o tipo de garota que não consegue se decidir. Que nunca se decide. Que por medo de arriscar em escolher errado, nada escolhe. Tão desinteressada, tão ela. Folheia revistas sem paciência para ler sobre a vida alheia, fala sério. Mal tem tempo de resolver os problemas da sua vidinha, vai querer saber dos problemas dos outros? Passa por todos canais da televisão procurando algo que lhe interesse. Mas nada interessa. Conversa com as pessoas e dá seus melhores sorrisos. Sempre fingindo achar graça das idiotices que escuta. Irônica e sarcástica, você nunca saberá se ela está realmente sorrindo porque gosta de você ou se ela te acha um completo idiota. Vai saber né. Indecifrável, é o que ela é.

Sempre rodeada de amigas que queriam saber como ela faz pra ser assim. Tão inatingível. Nem ela sabe porque nada a afeta. Simplesmente, ela não se importa. Nunca se importou. Talvez tenha se machucado tanto que resolveu se desligar do mundo, esquecer as emoções, dar um basta nos sentimentos. As pessoas que hoje em dia não se importam mais, são aquelas que um dia já se importaram demais. Triste? Que nada. Ela não liga se ela se tornou tão amarga e desacreditada que nada mais faz diferença. Ela só quer ser livre entende? Sem ter que dar satisfação a ninguém. Quer ser a dona de si. Dona dos seus quase sentimentos. Dos seus quase sorrisos.

Meninas normais esperam que o amor um dia bata às suas portas, ela? Espera que quando o amor bata, ela esteja ocupada demais para atender. Lendo um livro talvez, falando no celular uma amiga. E por ser desse jeitinho especial, ela se tornou um mistério. Um mistério que todo e qualquer homem quer (e precisa) desvendar. Afinal, o que fazer para que aquele coração bata de novo? O que fazer para que ela dê um sorriso verdadeiro? O que fazer para que ela te ligue ao menos uma vez? O que fazer para que ela não te abandone no dia seguinte? Porque ela abandonará. Você sabe.

E o mais incrível é que ela não esconde o que é. Diz pra quem quiser ouvir que ela não se importa, que ela não tem sentimentos. ”Não se apega não”. Mas como não se apegar? Como não se apegar àquele jeito meio irônico meio sarcástico que só ela tem? Como não se apegar àquele jeito descontraído, como se nada no mundo a abalasse? Não tem jeito. Quanto mais as pessoas tentam não se apegar, mais se apegam à ideia de descobrir quem é ela. Porque ela é assim. 

Sabe, não é que ela seja fria, ela só não achou ninguém que a aqueça. Alguém que a faça se interessar. Alguém que a faça sentir de novo. Mas enquanto essa pessoa não aparece? Ela continua com sua vidinha, sem maiores emoções, sem grandes sentimentos e sem qualquer envolvimento. Passar bem! Foi ótimo te conhecer. Até nunca mais.

Isabela Freitas

Doses de Realidade

Ando um pouco assustada com a vida. As pessoas, por mais que eu não queira, vivem me surpreendendo. Algumas para o bem e outras para o mal. Sei que ninguém é santo, nem demônio. Também sei que expectativas são apenas expectativas. Mas as pequenas decepções ocorrem diariamente, é inevitável. Eu decepciono, você decepciona, eles decepcionam. E assim a vida segue, um pouco decepcionada, mas com um tantinho de fé.

O mundo nunca vai ser um lugar seguro, tranquilo e mágico.
Nada é como nas telas de Hollywood, nosso filme não anda em slow motion nas principais cenas, não existe a palavra perfeita, sua música preferida não começa a tocar em momentos especiais, você não é uma diva de cinema, o mundo não para para você se recompor, nada é para sempre e nenhum sofrimento é eterno. É bem isso: nada é para sempre e nenhum sofrimento é eterno. Tudo tem fim, inclusive alegrias e tristezas. Sei que parece meio duro dizer isso, não pense que estou descrente, a realidade me visita de vez em quando e tenho essas crises de franqueza. É que não dá para viver de sonho, de luz, de esperança. Precisamos, também, viver de realidade e enxergar as coisas como elas são.
[…]
Asperezas sempre existirão, bem como adversidades. Nada é bom para sempre, nada é ruim eternamente. Dias bons e ruins irão nos acompanhar até o último dia de nossas vidas. O grande questionamento é: como viver esses dias? O que fazer com eles? Como suportar medos e conflitos? Simples: vivendo. Não é sobrevivendo, é vivendo mesmo. Precisamos fazer o que podemos fazer. Nem mais, nem menos. Temos que encarar medos, sustos, passado, angústias, desamores e seguir. Encontrar algo que estimule e procurar viver da melhor forma que conseguirmos. Não dá para se achar mártir, não dá para desistir, não dá para pensar que nada tem jeito. As coisas têm, sim, jeito. Talvez não aquele que queremos, sonhamos ou desejamos. Mas tudo tem uma saída. Nossa grande missão é achá-la.

Clarissa Corrêa