Textos

O fim

the flower girl | via Tumblr

Em tempos de amores de Tinder, Whatsapp e tantas outras redes sociais é difícil imaginar que os jovens de hoje ainda sofram por amor, não é mesmo? Tendo como refrões dos grandes hits da atualidade como base, notamos que a tão citada “lei do desapego” funciona como nunca. É um tal de “hoje não, me perdeu!”, “sua casa caiu”e “sai do meu pé” que as vezes parece que nunca foi tão fácil deixar alguém, esquecer algo que ocupou um certo tempo em sua vida.

Mas e nós? Nós que vivemos e sentimos à moda antiga? Que sabemos que “quando a gente ama qualquer coisa serve para relembrar”? Será que para nós, toda vez que um relacionamento chega ao fim, todo esse processo de se readaptar tem que ser mais difícil? São tantas perguntas, que chega parecer injusto sofrer tanto por um amor que nos deixou, enquanto ”as pessoas dessas músicas” estão bem, firmes e tão fortes, como se nada tivesse acontecido.

Saindo um pouco do universo do sertanejo, para nós o término de um relacionamento soa mais como na música “tempos modernos” (que hoje, ao que me parece, não eram tão modernos assim aqueles tempos), onde sabemos que “ainda vai levar um (bom) tempo pra fechar o que feriu por dentro”. E de fato, é natural que seja assim mesmo. Como seria fácil esquecer aquela primeira conversa com a pessoa amada? Aquela primeira viagem? Tantas e tantas fotos que você quer tanto apagar, mas falta coragem pra isso. Não, não é possível que seja tão fácil assim apagar parte do seu passado em questão de dias.

A verdade é que: quando realmente existe amor, não é fácil superar. Por trás dessas letras que pregam o desapego, com certeza houve um bom (e necessário) tempo de sofrimento, pois todos passamos pelo mesmo processo: primeiro vem o fim, depois aquele momento em que você se deita e em prantos, pensa “e agora?”. Parece que seu mundo vai acabar, que você perdeu o rumo (e de fato perdeu) e que você nunca vai voltar a sorrir novamente.

Eis que surgem algumas pessoas que vão te ajudar a se levantar, pessoas que com poucas palavras vão fazer você perceber que aos poucos sua vida vai voltar ao normal (e aquele rumo que você trilhava com seu antigo companheiro não existe mais, mas que é possível fazer uma nova rota, como em um GPS), pessoas que, mesmo distantes, só querem o seu bem. Todo amigo já passou pela mesma situação, e sabe exatamente o que é preciso fazer para passar por essa fase complicada, é impressionante. E finalmente, você consegue superar o fim e quando olha para trás, se lembra com carinho de tudo que viveu, e esse é o grande segredo da vida: guardar as lembranças boas, viver o seu presente sem ficar se apegando ao que já passou. Acabou!

“Existem os finais felizes e os finais necessários”

– Andres Bustamante.

Autoestima

Leia ouvindo: Beyoncé – Pretty Hurts

Se eu te perguntasse aqui, agora, ”você se ama?” você seria sincera comigo? Tem certeza que você está feliz com a sua aparência, seu corpo, seu jeito de viver? Eu aposto que não, você não está. Mas tudo bem, sabe porque? Porque nós somos assim mesmo, temos essa loucura de achar defeito onde não tem, de nos preocuparmos onde não há motivo.

Chega a ser ridículo esse padrão de beleza imposto pela sociedade, o que eles querem com isso? Ninguém aqui é uma Barbie não, ninguém aqui quer ser uma boneca de plástico sem nenhuma utilidade. Então, pra que se importar com isso? Você prefere que as pessoas te julguem pela sua aparência, ou pelo o que você realmente é?

My name is Jovana Rikalo :) | via Tumblr

Não vamos ser ignorantes e falar que a aparência não importa, porque importa sim. Mas e daí? Você quer ser bonita igual a fulana pra que? Você tem a sua beleza, acredite. Aliás você é única no mundo, já pensou nisso? Até pessoas que possuem irmãs ou irmãos gêmeos tem lá as suas diferenças. Diferenças existem, e elas são fundamentais.

Todo mundo conhece, ou já ouviu falar sobre alguém doente devido a baixa autoestima. Isso é mais comum do que a gente imagina, é perigoso, mata. E ainda tem gente que acha isso um motivo de piada, é o que eu sempre digo: gente sem coração. E eu aposto que têm muita gente lendo esse texto aqui e que também está com a autoestima no fundo do poço. Me faz um favor? Coloque uma Beyoncé agora e vá dançar, vai ser feliz! Seja exatamente o que você é, SE AME MAIS POR FAVOR.

E pelo amor de Deus pare de tentar ser o que você não é, e começe a dar valor ao que você tem de bom. Não digo só na aparência não, digo também na sua personalidade, o seu jeitinho de ser. Sorria mais, se ame mais, se divirta, porque a única pessoa que deve se importar com o que você faz ou deixa de fazer, é você mesmo.

– Isabella Prado

BlogFan Page

Um sorriso por curtida

O refúgio encontrado na internet acabou se tornando uma arma de poder altamente destrutivo. A vida real e a virtual estão cada dia mais diferentes uma da outra e a maior consequência é a perda de noção do que se deve, ou não, postar nas redes sociais.

Enquanto existem os que fazem bom uso da internet e acabam encontrando na vida online, meios de melhorar a vida offline, também existem os que não pensam bem antes de compartilhar e acabam expondo coisas que podem ser convertidas em cyberbullying e desmotivação pessoal.

É necessário utilizar do bom senso e separar a importância dos likes e a importância de estar bem consigo mesmo porque, a partir do momento em que as pessoas começam a supervalorizar as curtidas e seguidores, sem generalizar, pode fazer com que aquilo se torne essencial para que exista o sentimento de felicidade, sustentando a auto estima e alimentando o ego de quem se vê admirado por tantos internautas.

A obsessão em ser apreciado tem sido muito maior do que se auto apreciar, exteriorizando uma necessidade que todo ser humano deveria ser capaz de alcançar, o amor próprio. A auto confiança dispensa qualquer sentimento de querer ser aprovado por terceiros, tirando um grande peso das costas, e acaba sendo um forte remédio para que cada um cuide do seu próprio nariz.

Pedro Henrique